1. PERÍODO COLONIAL

Contexto histórico: Denomina-se Brasil Colônia o período da história que se dá entre a chegada dos primeiros portugueses em 1500, e a independência em 1822, quando o Brasil estava sob domínio socioeconômico e político de Portugal.

Este período pode ser subdividido nas seguintes categorias:

  1. Período do descobrimento do Brasil até 1530.
  2. Ciclo da cana de açúcar.
  3. Ciclo do ouro.

Passado muitos anos e por diversos acontecimentos, a capital do Brasil foi transferida de “San Salvador” para o Rio de Janeiro, para que houvesse um controle maior em relação ao transporte “proibido” do ouro.

A economia da época é caracterizada pelo tripé: monocultura, latifúndio e mão de obra escrava.

A revolução industrial estava acontecendo no restante do mundo, porém no Brasil os barões que dominavam a economia retardaram essa evolução.

A partir de 1711 surgiram às primeiras vilas, onde começaram a se formar os núcleos de artesãos, onde na sua maioria eram caboclos.

Engenho do Açúcar

Engenho de cana-de-açúcar em Pernambuco colonial, pelo pintor neerlandês Frans Post (século XVII).

Fonte: www.klickeducacao.com.br/es/8736/3050.jpg

Vila Rica - Ouro Preto

Observa-se nesta imagem as igrejas construídas na época do peródo colonial que existiam no Brasil.

Período em que acontece a Arquitetura Colonial: 1530 a 1830.

 

O que foi o Período Colonial: O Período colonial foi marcado pelo rigor métrico. Elementos como esquadrias se repetiam nos pavimentos paralelamente conforme iam ascendendo.

Eira e beira

Neste período a arquitetura era símbolo de poder econômico, como a eira e a beira. A expressão “sem eira nem beira”, que significa sem recursos, na miséria, vem de elementos de edificações coloniais, as casas das pessoas mais importantes e ricas tinham as duas estruturas – eira e beira – no arremate do telhado. Já as casas mais simples não tinham nem a eira e nem a beira, eram taperas, assim então surgindo a designação.

Quando uma residência tinha dois pavimentos, ou mais, isso era significado de que a família possuía posses suficientes para manter escravos, para o transporte de mantimentos e água. Geralmente o pavimento térreo se constituía de comércios.

As paredes das construções eram na maioria de pedra e barro, sendo robustas e protegendo das guerras.

A varanda nesta época existia apenas em casas de fazenda.

O limite do espaço público/rua era dada pelas edificações.

 

Características: Simetria, presença da eira e beira, uso de artefatos de pedra, as ruas eram definidas pelas casas, entre outros.

Fonte: http://1.bp.blogspot.com/_2wtjx5apdmq/spu2hox9xti/aaaaaaaaaw0/d-g7vhohzbs/s1600-h/eira.jpg

Exemplares no Rio de Janeiro:

 

Igreja de Santa Rita - Parati

Fonte: http://viajeaqui.abril.com.br/imagens/sugestoes/baratas/parati.jpg

Exemplares na Bahia:

 

Pelourinho - Salvador/Bahia

Fonte: http://www.baixaki.com.br/imagens/wpapers/bxk9360_pelourinho-salvador-por-eliomar-ribeiro800.jpg

Características:

* Utilização de construções verticais.

* Construções ao nível do chão eram as mais modestas “sem eira, nem beira”.

* Construções “burguesas”, comércio embaixo e em cima a residência. Existiam escravos para levar a água para o outro pavimento (tinham mais condições).

* Relocação de uma parte da população, para muito longe e onde não possuíam transporte adequado.

 Exemplares em Recife:

 

Igreja de São Pedro - Recife/Pernambuco

Fonte:  www.casadacultura.org/br/pe/recife/recife_igrejas_fortes_pessoas/igreja_de_sao_pedro

 Características:

* Verticalização maior, utilização de azulejos.

* Igrejas com mais cheios e menos vazios, mudando isso com o passar do tempo, por causa da tecnologia, além do concreto ter proporcionado maiores vãos.

 Exemplares em Minas Gerais:

 

Igreja Nossa Senhora do Carmo - Ouro Preto/Minas Gerais

Fonte: http://img.mundi.com.br/images/ouro-preto-photo146-5.jpg

 

Vista da cidade de Ouro Preto, Minas Gerais

Ouro Preto foi uma das cidades Brasileiras onde mais se destacou o período Colonial/Barroco, hoje é considerado patrimônio histórico da humanidade, correndo risco de perder o título pelo descuido e pela seqüência de incidentes acontecidos há alguns anos atrás, que descaracterizaram o contexto.

Sério problema é enfrentado na questão de desenvolvimento da cidade, onde antigas edificações estão sendo ampliadas, algumas não seguem padrões estabelecidos pelas leis da cidade, os quais definem as características da época a serem reproduzidas, outras mesmo seguindo passam a ser duvidosas pela diferença de materiais e técnicas.

Conformando uma ambigüidade de parâmetros para preservação, onde se pode como questão principal “congelar” o crescimento barrando novas edificações, ou então abrir-se para a expansão correndo o risco de descaracterizar.

Características:

* Pedras rosadas, encontradas na cidade (construção).

* Telhas feitas de barro e moldadas nas coxas dos escravos.

* Cantarias de portas e janelas feitas em pedra, muitas feitas do resto de outras construções.

* Igrejas de negros eram terciárias.

*Grades usadas para cercar igrejas, são detalhes contemporâneos, não são originais.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s